Manhã de Domingo

Aquela era uma bela manhã de domingo, acordaram com um belo sorriso nos rostos e declamando o amor um ao outro, a beleza do dia iluminado, ao café levado na cama e a vida. Era como faziam aos domingos.

Antes de sair de casa, ele ia rezar na capela construída em frente de sua casa enquanto ela ia pro banho. E, consequentemente, retocar a beleza e colocando aqueles trajes que deixava seu amado radiante perante tanta formosura.

O casal cumpria à risca o que era planejado ao celebrar a riqueza da união e da beleza harmônica da existência.

Era de costume, ao chegar naquela pracinha rodeada de um belo e esplendoroso lago, ele descia e, lentamente, abria a porta do carro para que sua amada brilhasse em encanto. Enchendo-lhe o coração de felicidade.

Quando tudo parecia estar na monotonia do planejado, algo surpreendente tocar-lhe-ias o coração. Eles vêem outro casal com olhares de curiosidade que se aproxima e, logo, começa a conversar.

Num determinado momento, uma atitude do casal chama a atenção dos jovens que mesmo percebendo o grande amor expressado na forma do olhar, do carinho, das palavras e nas atitudes. Parecia que a sensação de tanta meiguice escondia uma dor que pulava do peito e da alma.

Após os casais terem passado juntos aquela manhã do domingo, inevitavelmente, uma coisa boa tinha marcado a vida de cada um. Um elo especial que produziu a vontade de se fazer e vivenciar aquela grandiosa amizade. E, do mesmo modo, com trocas de experiências de vida e práticas cotidianas.

Eram marcantes os semblantes dos jovens, por isso, pensavam ter encontrado a fórmula do amor, companheirismo, respeito, da fidelidade,  carinho e longevidade.

 
Historia completa AQUI

%d blogueiros gostam disto: