A moça

A moça se aproxima, cumprimenta a todos e apresentar-se. Júlio fica encantado e cada palavra que saía da boca dela era música para o seu coração apaixonado, que por mais que tentasse disfarçar, ficava evidente sua admiração por ela. Aquele momento passou e, no final do expediente, todos foram embora.

No dia seguinte, Júlio foi o primeiro a chegar no trabalho, adiantou quase tudo para que pudesse oferecer a sua ajuda para a moça, ele já até tinha ensaiado um motivo para a aproximação. Os colegas que iam chegando estranhavam vê-lo ali, pois ele tinha chegado antes do horário.

Quando ela surge no horizonte do Júlio, um sorriso de felicidade é invocado por sua alma, amado por seu coração e expressado por seus lábios. Ele não consegue disfarçar, estava feliz com a felicidade de quem se ama. Todos perceberam.

Júlio fazia de tudo para ficar do seu lado, todo momento se oferecia para ajudar e ela, educadamente, agradecia e fazia-lhe elogios. Meses se passaram e, aos poucos, ela parecia corresponder aos sentimentos do Júlio, chagava até convidá-lo a sair nos finais de semanas com os amigos, mas Júlio sempre recusava, pois queria um momento somente com eles dois.

O convite

Depois de mais um convite da Moça, ele aceitar sair com ela e os amigos, pois não aguentava mais esperar por um momento a sós, que parecia não ter chances de acontecer, pois ela sempre tinha desculpas para não sair apenas com ele.

Chega o dia tão desejado por Julio, o dia de estar ao lado de sua deusa, de beleza que fascinava sua razão de viver e irrigava seu coração de amor no mais elevado esplendor. Um sentimento belo que o fazia sonhar acordado, viajar na sublime felicidade e despertava a esperança da união entre eles.

Ao chegar na casa dela, ele ver várias moças, mas uma em especial não largava a mão de sua deusa. Ela observa por um tempo e resolve se aproximar para irem juntos ao baile. Para ele, aquele era o dia, o dia da felicidade plena, pois seria o dia que pediria a moça em namoro.

No baile, dançaram, beberam juntos e conversaram. Chega o momento da atitude de Júlio, era o momento de ele se declara para a moça. Ele a chama e diz que precisa falar sobre algo que está em seu coração, algo muito importante. A moça diz que também tem algo para falar, Julio começar a chorar, acreditando ser um amor correspondido. Então, pede para a moça falar e ela começa: diz que ele tinha sido escolhido, pois sentia uma grande admiração e completou que seria uma honra tê-lo como um dos padrinhos do seu casamento.

PRIMEIRA PARTE ))) Júlio, o rapaz desconfiado