Arquivar 17 de abril de 2010

O Sonho

Ontem sonhei, hoje, procurei colocar em prática
Amanhã tentarei de novo, o que sonhei ontem
Que procurei colocar em prática hoje e não consegui fazer.

Ah! Qual foi o sonho?!
Sonhei que era um anjo de Deus com poderes mágicos
E tudo o que eu queria, conseguia

Escolhi fazer o bem, perdoar quem me ofende
Acabar com a fome, colocar paz no mundo
Que as pessoas colocassem Deus no coração
Este foi o meu sonho de ontem.

Hoje, conseguir continuar a fazer o bem
Perdoar quem me ofende e tentei acabar com a fome
Colocar paz no mundo, e que as pessoas colocassem Deus no coração
Nesse momento, percebi que não era um anjo e não possuía poderes
Assim, amanhã voltarei a sonhar e tentar realizar meus sonhos.

Amizades

O valor da amizade é paga com um cheque especial denominada felicidade; elevada a sua sublime essência.

Cheque de valor incalculável, inexistente em moeda material. Só personificada nos corações promovedores de alegrias, da compaixão e do perdão.

Valor pago, que não empobrece quem paga. O retorno vem multiplicado por um pagamento incalculável.

O pagador e recebedor cria um elo sublime de exemplo de vida para os outros, que por sua vez, propaga esse magnífico ato; virtude e sentimento.

Saudades

Sentimento de duas faces
Uma incerta, outra verdade
Uma traz lembranças boas
A outra recordação triste.

As lembranças boas?
Quando alguém passou ou está em nossa vida
Que deixou ou deixa felicidades no mais elevado esplendor.

Recordações tristes?
Quando o que menos queremos recordar,
Insistem em nos visitar, querendo ficar, permanecer algo
Que nos faz mal ou nos fez sofrer.

A Solidão

O cume mais cruel da solidão, concretiza em corações solitários
São corações que encaram uma busca incessante
Na sorte de conquistar uma paixão
Luta que muitas vezes determina um ser solitário.

A magnitude de sua luta, determina o valor de sua vitória
Cruel é a solidão, mas derrotável quando combatida
Incessantemente toda hora, poucos os vencedores
São os que persistem na esperança superando as dores.

Os que se entregam sem lutar, nada a declarar
Vivem a se machucar, renegam a herança
Os vencedores têm em sua alma a esperança.

Virtude que não o permite descansar
Vivem em constante batalha com a solidão
Com a certeza dela superar, não cansam de lutar.